Arquivo da tag: ricardo cavalcante

Reblogando Ricardo Cavalcante sobre medos e proteção no Amor (texto de Clarice Lispector)


Agora preciso de tua mão, não para que eu não tenha medo, mas para que tu não tenhas medo. Sei que acreditar em tudo isso será, no começo, a tua grande solidão. Mas chegará o instante em que me darás a mão, não mais por solidão, mas como eu agora: Por amor.(Clarice Lispector)

(texto e imagens publicadas por Ricardo Cavalcante no Google+)

amor

Agora preciso de tua mão

1 comentário

Arquivado em JEITO FEMININO

Reblogando Ricardo Cavalcante sobre nunca mais se ver- texto de Tati Bernardi


“Nunca mais se viram, nunca mais se tocaram e nunca mais serão os mesmos. É fácil porque os dias passam rápidos demais, é difícil porque o sentimento fica.” -Tati Bernardi

Nunca mais se viram

Deixe um comentário

Arquivado em JEITO FEMININO, POESIA

Reblogando Ricardo Cavalcante sobre entra, vem e fica (texto de Gabito Nunes)


“Quero você aqui, no meio das minhas coisas, meus livros, discos, filmes, minhas ideias, manias, suspiros, recortes. Respirando o mesmo ar… Entra, não pergunte se pode ficar. Vem e fica.-Gabito Nunes

texto e imagens por Ricardo Cavalcante- google+

Vem, fica…

Deixe um comentário

Arquivado em JEITO FEMININO, milena medeiros, POESIA

Reblogando Ricardo Cavalcante, texto de Marla de Queiroz sobre sedução e disponibilidade afetiva


…Porque você me seduziu completa e absolutamente se fazendo deslumbrante quando não estava disponível afetivamente…
Porque você me roubou a solidão e não me fez companhia…

(Porque eu ainda gostaria de você? Porque quando uma pessoa vai embora, nem sempre o que se sente por ela vai junto…)

Eu quase ainda gosto de você…(Marla de Queiroz)

publicado por Ricardo Cavalcante no Google+

Por quê?

Deixe um comentário

Arquivado em JEITO FEMININO

Reblogando APENAS SENDO – sobre sentir saudade e acreditar


“E quando sentir saudades, vai em frente, pise firme nas terras que te ensinei a caminhar. E jamais recue, pois sabes: estou logo ali no fim.”

Apenas Sendo

Deixe um comentário

Arquivado em JEITO FEMININO

Reblogando APENAS SENDO – sobre tristezas e angústias


“Não importa quantas vezes, ou em que circunstância me perguntar, vou sempre responder que estou “bem”: Porque a dor do mal da tristeza é sentida. No brilho dos olhos. No abraço apertado que encontra os corações. Angústias transcritas são pouco entendidas. E as minhas palavras não são alento para serem jogadas ao vento, que por ser frio carregar qualquer dor sem sentir o menor rancor.”

Apenas Sendo-11/02/2013- Google+

apenas sendo - vou dizer que sempre estou bem

Deixe um comentário

Arquivado em eu sou assim, POESIA

Reblogando a prosa poética de APENAS SENDO sobre a saudade e ausência


“Hoje nem mesmo o frio que os nimbos trouxeram me acolheu. Hoje nem mesmo o tempo pode prever a minha dor. Hoje o álgido vento trouxe sua saudade, só para me lembrar que eu não sou completo sem você. Hoje te guardo na noite, e te encontro nos meus sonhos […]”

(Apenas Sendo – Google+)

Deixe um comentário

Arquivado em POESIA

SEGUNDA CHANCE // vídeo recomendado por Ricardo Cavalcante – ANGEL (Sarah McLachlan)


As chances são para os jogadores…

Para quem ama, gosta, quer, deseja, sempre haverá muitas chances…

Depende do seu primeiro passo  e que esse passo seja para juntar-se a quem se pede a chance…

21/02/2013 – Milena Medeiros – online no  Google+

(comentando Ricardo Cavalcante no Google+)

“Passa todo seu tempo esperando Por aquela segunda chance, Por uma oportunidade que deixaria tudo bem Sempre há um motivo Para não se sentir bem o suficiente. E é difícil no fim do dia, Eu preciso de alguma distração. Oh, belo descanso A lembrança vaza das minhas veias… Deixe-me ficar vazia E sem peso e talvez Eu encontrarei alguma paz esta noite.
Você está nos braços de um anjo,
Talvez você encontre algum conforto lá”

Angel- Sarah Mclachlan

Deixe um comentário

Arquivado em JEITO FEMININO, Música, milena medeiros, POESIA, vídeo, vídeos

Ricardo Cavalcante – Google Mais – Texto sobre o amor (Dann Yawk)


Me tornei menos eloquente,
mais confuso,
inconsequente,
sonolento nas vontades de me decifrar.
Fui mudando,  aos poucos,
aos avessos.
Fui me tornando menos eu,
fui me achando cada vez mais em você
enquanto me perdia na tua voz condutora.
Comecei a me pegar distraído,
colhendo flores no futuro,
construindo planos e sorrisos ao teu lado.
Acho que o amor é isso,
mudar e não saber pra onde… (Annd Yawk)

Post compartilhado por Ricardo Cavalcanti no Google +

Deixe um comentário

Arquivado em JEITO FEMININO, POESIA, sinal