Arquivo da tag: marquês sade rocco

Poesia de Marquês Rocco Sade-CARINHOSO


Carinhoso

Hoje não quero paixões calorosas
estou meio assim.
Uma brisa suave entrando
pela minha janela me basta,
um aconchego, cheiro nos olhos.
Nada de excentricidades
nada! nada! nada!
Quero toques com suavidade
sem sofreguidão.

 

Sem tempestades,
mas uma garoa no telhado.
Sorriso sem explicação,
abraços acolhedores,
beijos sem mordida.
Chegada sem partida.

(Marquês Rocco Sade)

Este poema foi autorizado pelo autor via Email em 11 de outubro de 2012

Veja o poema publicado pelo Marquês Rocco Sade no Recanto das Letras.

Link: CARINHOSO

NOTA: Este colega de poesias está ausente, sem maiores explicações. Não temos nenhuma notícia dele, mas, pelos textos anteriores, vimos que publica em determinada época do ano, então, acreditamos que o veremos novamente só em 2013 em meados de setembro ou outubro.

Até lá, sádico-amor… você foi muito, mas muito amigo mesmo e gostei dos vários momentos em que pudemos compartilhar textos, vídeos, histórias e nosso Dueto que parou na parte 11 em 10/outubro/2012.

Com saudade e também com esperança de vê-lo novamente escrevendo seus belos textos naquele site. Estaremos todos ansiosos para entendê-lo (será que um Sade poder-se-ía ser entendido???) e novamente compartilhar bons momentos contigo.

(a) Negra Noite

 

Deixe um comentário

Arquivado em eu sou assim, JEITO FEMININO, milena medeiros, POESIA

Poema de Milena Medeiros (À ROSA POR MARQUÊS OFERTADA)


À ROSA POR MARQUÊS OFERTADA

Recebi 
com muito entusiasmo
a rosa vermelha
que em perfume
adamascado
tu me ofertaste,
com beijos anexados…
Em cada pétala 
nelas também depositei 
um beijo meu 
junto ao teu…
Agora 
as pétalas ruborizaram
e pesadamente 
em minhas mãos caíram.
Num jeito tristonho, talvez
por não ser dela
Nenhum desses beijos teus!
(Milena Medeiros-12/10/2012- À Rosa por Marquês ofertada)
Publicada também no Recanto das Letras

Deixe um comentário

Arquivado em eu sou assim, JEITO FEMININO, milena medeiros, POESIA

Poema de Marquês Sade Rocco- Minha voz dilacerou minh’alma


Minha voz dilacerou minh’alma

Querida , te conhecer
Fez raiar um novo sol na alvorada
dos meus dias.
O teu amor está fundamentado
com raízes profundos no meu peito,
Que amor é este que não me deixa
raciocinar direito ?
Me faz perder a lúcida razão
inundando de fortes emoções meu coração.

Sem você, quem sou eu!?
Os dias são apenas o que são, dias !
Sem você, não teria alegrias o amanhecer
Pois é o teu amor que faz
vicejar flores na minha existência.
O teu sorriso (algo inconfundível)
É a alegria brindando em meus lábios.

Querida, quando a solidão vier te visitar
encontrará a porta fechada,
Serei o teu abrigo
Teu refúgio e fortaleza nas horas incertas.
O cobertor que te aquece em dias de invernia
A palavra de conforto
Ou o silêncio acolhedor.

Hoje cantei àquela canção, sim, aquela canção!
A nossa melodia,
que te deixa quente em minha mente
Minha voz dilacerou minh’alma
Nunca tinha me visto tão preso a sentimentalismo
Deus! que será que está acontecendo comigo ?
Mas eu sinto que devo mergulhar.

O nosso amor é precioso
é o pote que todos almeja encontrar
do fim do arco-íres.
Plantado em terras fecundas
aguado com o doce orvalho da madrugada
e floresce glorioso em meio aos abrolhos.

Nos teus lábios
Encontrei os beijos
que minha boca ansiava.
nos teus braços
o conforto que me faltava.
Estes versos podem parecer-te careta,
mas só um careta como eu
é capaz de te amar tanto assim.
Ponha lenha na lareira
não deixe essa chama que aquece
nossa casa se apagar.

É doando-se, que se ama
E somos amados.

Paro por aqui pois nem
todo papel do mundo serão capaz
conter o meu afeto por ti.
A ti querida
do teu e sempre… e sempre teu…

Deixe um comentário

Arquivado em POESIA