Arquivo da tag: amor perfeito

A PESSOA ERRADA – Pamela Camocardi


“ENQUANTO VOCÊ OCUPAR SEU CORAÇÃO COM A PESSOA ERRADA, A CERTA NÃO TERÁ ESPAÇO PARA CHEGAR.”

“Lembre-se do que sua bisavó dizia: regue as plantas, regue suas relações, regue seu futuro, porque sem cuidar, nada floresce.” (Martha Medeiros)

______________________________________________

“Nós não dominamos nada senão nossas escolhas — e muitas vezes nem isso. Podemos escolher a faculdade, mas nem sempre a profissão. Podemos escolher uma cidade para morar, mas nem sempre nossa proposta de emprego estará nela.

Podemos (achar) que encontramos a pessoa certa, mas nem sempre somos a pessoa certa para ela. A verdade é que nem tudo depende de nós. E isso é bom demais! Deixar a vida acontecer com naturalidade tem um outro gosto. As surpresas é que fazem a vida valer a pena.

Nessas surpresas rotineiras, sempre encontramos alguém que nos queria bem, que faça dos nossos dias melhores e que nos ame da forma como merecemos. Da mesma forma que encontramos pessoas que não estão dispostas a um compromisso sério, mas fazem de tudo para nos convencer do contrário, com o objetivo de conseguirem o que querem. Mentem, trapaceiam, enganam. Deixando marcas que o tempo leva anos para apagar.

Para essas pessoas, aceite um conselho: afaste-se e esvazie seu coração! Tire dele todas as pessoas tóxicas que, de alguma forma, ficam mal ao te ver bem ou que só te procuram quando precisam de algo. Sabe, limites foram feitos para serem respeitados e você deve obedecer essa regra em respeito próprio.

As pessoas precisam perder essa mania de se acostumar com aquilo que as fazem mal. Não dá para conviver com grosserias diárias e encarar como normais. Muito menos não ter com quem conversar no final do dia porque o “cansaço” tomou conta dos dois. É preciso desmistificar essa ideia de que toda felicidade está condicionada à um grande sofrimento anterior.

Nos ensinaram que se não lutarmos o suficiente, não chorarmos ou não enlouquecermos por alguém, não merecemos a felicidade que o relacionamento proporciona. Quem disse? Merecemos sim!

Escolher alguém para dividir a vida não se resume a uma qualidade específica. O que encanta é o conjunto de qualidades e a troca recíproca delas: o telefonema de bom dia, a mensagem no meio do expediente, a preocupação de levar ao dentista…relacionamento é rotina com doses de cuidados recíprocos. Se não for assim, para que continuar?

O sofrimento depois de qualquer término, é difícil, mas necessário. Não dá para se torturar com possibilidades do tipo “e se?”, “poderia ter dado certo” ou “ será que a culpa foi minha?”, porque você sabe a resposta.

Não dá para encher uma taça de vinho se ela estiver preenchida de gelo. Da mesma forma que um novo amor não poderá chegar, se você não abrir mão do que te faz mal. Até quando você será capaz de rasgar a própria alma e costurá-la em troca de aceitação?

Permita-se viver o que merece e, acredite, você merece muito! Aceite o conselho de Fernando Pessoa e “feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é.”

Esvazie sua vida para que o novo tenha espaço para fazer morada. Queira um amor com senso de humor, desses de rir até doer a barriga. Desses que você sinta saudades no meio do dia e que se importe com suas inseguranças, mas não saia por aí procurando-o.

Não entre na paranoia da obrigatoriedade de encontrar, a todo custo, o amor da sua vida. Amor não segue regras e tem dia marcado para acontecer, mas isso, meu caro, é um assunto entre seu destino e suas atitudes.”

_____________________________________________

Fonte: Pâmela Camocardi


Deixe um comentário

Arquivado em a magia da expressão literária, alma gêmea, alvo errado, amores imperfeitos, JEITO FEMININO

POR-QUÊ? – Milena Medeiros


guardados

POR-QUÊ?

Por-quê você
Não me disse um “OI”
Quando mais eu
Queria?

Não deixou um
Pequeno bilhete
Mesmo que
Um tanto amassado?

Não sentiu
O descompasso de
Meu abraço
E tampouco
Uma lágrima
Que molhou o canto
De meus olhos?

Bastavam-me
Duas letrinhas
Mesmo não ditas…
Nem embrulhadas
Em papel dourado…

Não devia ser um “ADEUS”
Nem separação
Mas um “ATÉ LOGO”
ou “ATÉ DAQUI A POUCO”

Não devia ser um “NÃO”
quem sabe um “SIM”
um tanto assim
Meio encabulado…
Dito em som baixo
Rebuscado
Por trejeitos meus…
Seus…
Nossos!

(Milena Medeiros)
30/08/2014
11:25 pm

Deixe um comentário

Arquivado em milena medeiros

Poesia de Negra Noite- QUANDO DEIXEI O MEU MEDO ME BANIR PARA FORA DE MIM / música: Sinto falta desse amor-Marcus di Cesaris


Foi assim, devagar…

ele foi se aproximando

como não quisesse nada

e me pegou a fundo.

Penetrou em minha alma

e se fez latifundiário de mim.

Não quis negociação

promoveu desavenças

camuflou desejos

e escravizou-me…

Esse medo que invadiu-me

certa vez

fez das loucuras pequenas

grandes loucuras

Deixou-me cega

Intransigente como só

negou-me o direito

de ir e vir em mim mesma.

Fui covarde até

não neguei-lhe quaisquer

provisões

tudo lhe dava sem soberba

e esse MEDO se apoderou

de minhas propriedades

fez dos meus limites

escassos pontos de cerca aramada

fez de minhas terras verdes

com frutas maduras

e flores magestosas

um terreno árido

sem água que se bebesse

até saciar-se da sede.

Sem frutos maduros

da convivência pacífica no dia a dia

sem o labor sadio de mãos cansadas

mas bem alimentadas do amor

divino das colméias

e flores laranjais…

Eu me bani para fora de mim

ao deixar o MEDO

ingressar-me.

Sem o desejo de lutar

com o esmorecimento

até da dúvida-

ela que muitas vezes é bem vinda

e sadiamente esperada …

Fui covarde de mim

Um vassalo desacreditado

uma alma penada

uma memória sem pensamento…

O MEDO foi um dos maiores

coronéis dessa batalha

que eu não me neguei a intransigir…

Doeu muito ver-me diminuir-me

Ver-me menos que o verme

solto e livre trafegando

o caule da árvore

de meu terreno onde eu era

um hóspede não bem vindo.

Meu olhar se fechou por MEDO

O pior foi ver o meu coração

se acovardar e não mais deixar-se amar

Isso foi o pior que fiz a mim

Não permitir-me nunca mais me amar…

E sem me amar 

eu nunca mais AMEI NINGUÉM…

(Negra Noite-10/novembro/2012- em resposta à um alguém que ainda está doente de amor)

Deixe um comentário

Arquivado em eu sou assim, JEITO FEMININO, Música, POESIA, vídeo, vídeos

Poema de Milena Medeiros em vídeo-edição por Carlenebrasil


Essa minha linda amiga…

Fez-me essa surpresa… publicou um vídeo com meu poema: ANTES DE TI E AGORA, CONTIGO!

Amei, Lene. você leu meu pensamento… 

Passei a tarde a desejar fazer um vídeo com esse poema, mas não tinha como postar… e você o fez,  de um jeito só teu, amiga.

Agradeço, agradeço, agradeço…

mii

06/11/2012

1 comentário

Arquivado em JEITO FEMININO, Música, milena medeiros, POESIA, vídeo, vídeos

Não precisa ser perfeito…


1 comentário

3 de novembro de 2012 · 11:26 PM

Poesia de Milena Medeiros-MEU POETA BEIJA FLOR


MEU POETA BEIJA FLOR

Tu estás me seguindo

como o beija flor

em busca do doce néctar da flor?

Ai meu poeta…

Sabe que assim você me cativa

e  cativada sou uma presa fácil?

Tu saberás me alimentar?

Ouvirá meu cantar nos dias de sol e de chuva?

Trará o doce mel pela manhã,

acordando-me com a beleza do amor?

Acolherás-me sob tuas asas,

protegendo-me do frio da tarde chuvosa

e da noite fria?

Velarás pelo meu sono enquanto a manhã não vem? 

(Milena Medeiros)

1 comentário

Arquivado em eu sou assim, JEITO FEMININO, milena medeiros, POESIA, saudade e lembranças no orkut