Arquivo da categoria: Saúde e bem-estar

Alguma informação que se faz pertinente à saude e ao bem estar de todos. Sem cunho medicamentoso.

Progeria-sindrome


Deixe um comentário

Arquivado em Saúde e bem-estar

Falando sobre BLOG da Cy :::: COMUNIDADE PE. FÁBIO DE MELO (BELÉM-PARÁ) :::::::::::::::::::::::::::::::


O QUE QUEREM ESTAS MULHERES?!


“Mulheres de aço e de flores” é minha primeira aventura literária. A Literatura, paralela a tudo o que escrevo será um caminho que trilharei. É uma escolha que amadureci.

Ao escrever “Mulheres de aço e de flores” eu mergulhei no encanto do universo feminino e sobre ele quis contar histórias. São mulheres reais, outras de sonhos, mas todas elas estão vivas em algum lugar deste mundo.

Eu não quis escrever um livro de catequese. Não quis escrever um livro de auto ajuda. Quis apenas explorar os sentimentos humanos e respeitosamente tocá-los a partir de minha sensibilidade poética. Não tive medo de ousar. Não fiquei preocupado que as pessoas pudessem dizer – “Nossa, isso não é coisa que um padre possa escrever!” Não quis me prender a uma visão limita, que confisca o universo religioso ao discurso beato e pouco humano. Eu me inspirei nos escritores sagrados, e nas histórias que a Sagrada Escritura resguarda. A Bíblia é um livro vivo feito a partir de pessoas concretas e por isso é dialético, controverso. Há relatos interessantíssimos que mostram o lado mais mesquinho da vida humana. As traições, os assasinatos, os incestos, enfim, tudo o que é humano e que sempre temos coragem de contar.

O meu livro é um espaço de segredos confessos. É uma fala que deixei nascer porque a respeito profundamente. As mulheres, desde as mais recatadas até as mais ousadas, todas elas cumprem o ofício de mostrar o que somos. Elas, na coragem que a literatura me empresta, contam o que naturalmente não contamos. Duvidam do que não temos coragem de duvidar. Amam de um jeito que não gostamos de amar.E falam, falam e falam…

A literatura é o avesso da vida, mas pode ser também o seu lado mais acertado. Através dela podemos sugerir uma vida que ainda não temos, ou sonhos que ainda não nos pertencem. Ela pode nos colocar no prumo onde sobrevivem nossas forças e fraquezas, nossas vergonhas e nossas belezas.

“Minhas mulheres” são assim. Elas querem nos lembrar que é bonito ser humano. Que não é vergonhoso ser portador de fragilidades. Que a dor é universal, que a alegria nem sempre. Que a esperança é a terceira margem do amor. Que há sempre uma luz a ser devolvida, uma vela a ser acesa, um Elviro a ser domesticado, um Redentor a ser reconhecido. “Minhas mulheres” querem nos ensinar que o amor humano é a outra face do amor divino, e que ao ser resgatado humanamente pelo amor que me toca, de alguma forma os meus dedos alcançam a cruz. Que na pureza de um beijo experimentado a eternidade já nos mostra o seu sabor.

“Minhas mulheres” querem nos recordar que um riso pode nos ajudar a esquecer o peso da vida. Que uma história não pode ser vista somente a partir de uma frase, e que o texto tem sempre que ser analisado a partir de seu contexto. A mesma regra vale para a Sagrada Escritura, pois fora do contexto, há frases bíblicas que podem justificar até mesmo o assasinato brutal.

“Minhas mulheres” não são ofensivas. Elas são filhas do tempo, dos ventos, das dores, das alegrias. São filhas da vida, e nada que é verdadeiramente vivo pode ofender. Elas só são sinceras.

Por isso, se você desejar conhecer as “minhas mulheres”, aproxime-se do livro sabendo que se trata de uma obra literária. É um livro de histórias.

Não queira encontrar conselhos formulados, prontos para serem aplicados.

Mas uma coisa eu lhe prometo – Riso e choro! Tudo ao mesmo tempo.

Por que? Não sei. Eu também não sei porque as coisas me fazem rir ou chorar. Eu apenas obedeço ao impacto da vida e por ela me deixo envolver.

O meu livro é simples. Não é um tratado de teologia. Está longe de querer ser isso. Eu só o considero religioso. Não sei fazer nada que não seja. Ele tem sacralidades, mas tem também os rastros do profano. A vida é assim. O desafio do leitor é recolher sob o altar do coração o que ele eleger como sagrado, e expulsar o que considera profano. Nisso eu não entro, não tenho acesso porque é trabalho do leitor.

Agora uma coisa é certa – A maior pretensão das minhas mulheres é mostrar que no aço da dureza humana, a flor da Graça divina costuma nos surpreender generosa.

Boa leitura.

Publicado por Cylene França – docecy@hotmail.comComente:

Deixe um comentário

Arquivado em Saúde e bem-estar

Falando sobre BLOG da Cy :::: COMUNIDADE PE. FÁBIO DE MELO (BELÉM-PARÁ)


VIDA COMUM


Minha vida é feita de caminhos comuns. A rua que me leva não flutua sobre atmosferas que não sejam humanas. Vejo o mundo em sua crueza cotidiana, onde Anas, Marias e Ofélias cruzam avenidas movimentadas, ávidas por tintas para colorir os cabelos.

A padaria da esquina não está iluminada por notícias de milagres. Não há maná no cardápio. O que há é o trigo cotidiano, faminto de fomes e pronto para o prazer da saciedade.

Eu olho devagar para cada coisa e descubro uma vida miserável, mas surpreendente. O homem da garapa não se cansa de acreditar na doçura que comercializa. Todos os dias, ao seu modo, ele se esforça para diminuir o amargor da vida. Moe a cana como se moesse a dureza da existência.

Ao lado, bem ao lado, o jornaleiro espera pelos leitores. Oferecerá ao longo do dia a tradução curiosa de um mundo transmudado em palavra. As manchetes gritam as fofocas que amanhã serão esquecidas, substituídas por outras, enquanto os romances em edições populares resguardam a beleza de homens e mulheres que ficaram eternos, mas que ainda são desconhecidos. O príncipe de Maquiavel está empoeirado no canto. Virou plebeu. Perdeu o garbo da edição primorosa. Caiu de posto.

Os morros dos ventos uivantes estão silenciados. As pilhas de revistas semanais gritam demais e não há vento que possa vencê-las. Iracema, a virgem dos lábios de mel está deitada ao lado de Brás Cubas, o defunto que fala. Romantismo e Realismo em expressões tão inexatas de uma mesma época. Eu continuo…

O ponto de ônibus está cheio. Uma mulher visivelmente abatida está desejosa de voltar para casa. A sacola de embrulhos é uma metáfora da vida. Presa à ponta dos dedos, a vida parece resguardada nos motivos de um papel pardo. O embrulho da mulher, a mulher do embrulho, tudo me faz crer que o caminho comum é o lugar da poesia. O onibus chegará, mas a casa ainda não. Haverá o processo de passar por outras casas que não são a sua. Enquanto isso, o desejo, este alimento que nos leva adiante será nutrido em porções menores.

Entro no meu prédio. Há um homem feliz por me ver chegar. “O senhor andou sumido!” Ele me disse. “É verdade!” Eu concordei. Andar sumido é coisa que não consigo resolver. As distâncias do mundo me separam do meu mundo, do homem da garapa, do jornaleiro, do porteiro que me quer bem…

O elevador me eleva. Chego ao destino de minha porta. O desejo de entrar é imenso. Recordo-me da mulher e suas sacolas de embrulhos. Outro pensamento me ocorre “Bem que eu poderia ter retirado Brás Cubas daquela banca! Seria uma forma de comemorar o centenário de Machado de Assis. Mas agora não importa. Não o fiz.”

Coloco a chave na fechadura. Faço o movimento de abrir. Adentro minha casa. O silêncio de minhas coisas não corresponde aos gritos de minhas causas. Não estou só. O mundo está dentro de mim.

Publicado por Cylene França – docecy@hotmail.comComente:

Deixe um comentário

Arquivado em Saúde e bem-estar

Falando sobre BLOG da Cy :::: COMUNIDADE PE. FÁBIO DE MELO (BELÉM-PARÁ) :::::::::::::::::::::::::::::::


Publicado por Cylene França – docecy@hotmail.comComente:


UMA PIPA NO CÉU…


A vida exige leveza, assim como a viagem. A estrada fica mais bonita quando podemos olhá-la sem o peso de malas nas mãos.

Seguir leve é desafio. Há paradas que nos motivam compras, suplementos que julgamos precisar num tempo que ainda não nos pertence, e que nem sabemos se o teremos.

Temos a pretensão de preparar o futuro. Eu tenho. Talvez você tenha também. É bom que a gente se ocupe de coisas futuras, mas tenho receio que a ocupação seja demasiada. Temo que na honesta tentativa de me projetar, eu me esqueça de ficar no hoje da vida.

Os pesos nascem desta articulação. Coisas do passado, do presente e do futuro. Tudo num tempo só.

Há uma cena que me ensina sobre tudo isso. Vejo o menino e sua pipa que não sobe ao céu. Eu o observo de longe. Ele faz de tudo. Mexe na estrutura, diminui o tamanho da rabiola, e nada. O pequeno recorte de papel colorido, preso na estrutura de alguns feixes de bambú retorcidos se recusa a conhecer as alturas.

O menino se empenha. Sabe muito bem que uma pipa só tem sentido se for feita para voar. Ele acredita no que ouviu. Alguém o ensinou o que é uma pipa, e para que serve. Ele acredita no que viu. Alguém já empinou uma pipa ao seu lado. O que ele agora precisa é repetir o gesto. Ele tenta, mas a pipa está momentaneamente impossibilitada de cumprir a função que possui.

Sem desistir do projeto, o menino continua o seu empenho. Busca soluções. Olha para os amigos que estão ao lado e pede ajuda. Aos poucos eles se juntam e realizam gestos de intervenção…

Por fim, ele tenta mais uma vez. O milagre acontece. Obedecendo ao destino dos ventos, a pipa vai se desprendendo das mãos do menino. A linha que até então estava solta vai se esticando. O que antes estava preso ao chão, aos poucos, bem aos poucos, vai ganhando a imensidão do céu.

O rosto do menino se desprende no mesmo momento em que a pipa inicia a sua subida. O sorriso nasceu, floresceu leve, sem querer futuro, sem querer passado. Sorriso de querer só o presente. As linhas nas mãos. A pipa no céu…




( Pe. Fábio de Melo – 02/03/09 )

Publicado por Cylene França – docecy@hotmail.comComente:

Deixe um comentário

Arquivado em Saúde e bem-estar

Falando sobre BLOG da Cy :::: COMUNIDADE PE. FÁBIO DE MELO (BELÉM-PARÁ)


Quarta-feira, Março 11, 2009


CONSTRUINDO PONTES


O termo limite é muito sugestivo. Ele nos coloca naquilo que a gente pode. Quem ama coloca limites.
Pai costuma ser mal compreendido quando põe limite. E às vezes tem medo dos filhos. Quando o filho compreende que o limite é para sua felicidade, lhe gera alegria.

Cada vez que você se irritar com o ‘sinal fechado’, se lembre que alguém está alegre por encontrar um sinal verde. Precisamos ser criativos. A raiva limita a nossa imaginação. Somos egocêntricos. Somos ligados as nossas necessidades e limites.

O artista é o ser humano que mais condensa defeitos no mundo. Temos limites demais porque temos mil e uma possibilidades. Ele consegue ver o mundo com mais amplitude.

O artista é aquele que consegue retirar o mais simples de todos acontecimentos e revestir de poesia, como ainda não tínhamos possibilidade de fazer. Ele tem o poder de retirar do dia comum, aquilo que a gente não viu. Uma sensibilidade que faz diferença na vida.

Outro dia estava ouvindo Adélia Prado que dizia assim: ‘o poeta, o artista é aquele que consegue retirar a vida da mira do tempo’. O poema é uma forma de resgatar aquilo que não morre mais.

Conheça a fragilidade dos grandes artistas.

Você deve conhecer muito compositor católico que mudou a vida de muita gente, mas você olha a vida dele e vê o sofrimento. Mas você não pode negar a obra que Deus faz na sua obra. Onde está o nosso trabalho? Cuidar desse limites que está em nós para que eles não atropelem a arte de Deus que está em nós.

É se colocar na necessidade dos retoques diários. Se tenho mais limites, mais cuidados preciso ter. É o aperfeiçoamento da arte que há em você.

Quanto maior a qualidade da sua arte, maiores os defeitos que lhe acompanharão.

No momento em que escrevemos, quantos rascunhos se faz? Quanto mais rascunhos, melhor a qualidade da arte. Mas a experiência do rascunho, do limite, gera o aprimoramento.

Precisamos de "pontes" que nos dê segurança. Senão ninguém atravessa. O artista tem que se prestar a viver o ofício de ser ponte. Nós estabelecemos a ponte, o vínculo. Padre tem que viver uma sensibilização artística o tempo todo. Nem precisa escrever música ou poesia. É a capacidade de estabelecer simpatia.

Olha para o Calvário. Se esta cena não fosse descrita com olhos de poeta, não gostaríamos do que vimos. Olhe para aqueles que se encantaram com a beleza de Jesus. Descobriram na Palavra de Jesus um jeito de sanar suas fragilidades e limites.

Confiar na providência é você ter consciência do seu limite. Não chove maná na casa de ninguém. Não vai trabalhar não para você ver. A Canção Nova vive da providência, mas venha ver os bastidores. Estão todos dando o sangue naquilo que podem.

Quanto maior o limite de uma pessoa, maior o número de "assessores" que ela precisa. Nossos limites serão mais bem vividos, a partir do momento que tivermos ao nosso lado pessoas que nos amam. Quanto maior a responsabilidade que você tem, mais a necessidade de gente para pensar com a gente!

Meu maior limite é com fotografia. Parece que cada foto arranca minha alma. Quando eu sou colocado numa situação que coloca meu limite para fora, eu não gosto. Porque gosto de dar o meu melhor.

Quando alguém fala um desaforo para gente, esbarra na nossa ferida. Muitas vezes não gostamos de esbarrar em nossos limites, mas precisamos tocá-los.

A morte de Jesus decepcionou os discípulos. Porque eles não haviam entendido. Voltam à antiga vida, porque perderam a "assessoria" que tinham.
Para o artista cristão, o assessor principal é Cristo! Ele que te dá condição de você exercer a arte que você exerce. É a voz Dele que você precisa ouvir, é o exemplo dele que você precisa seguir.

Você experimenta a solidão na sua vida e lamenta a falta de pessoas. Quantas vezes você se perde em você mesmo porque não tem alguém ao seu lado para lhe dizer "faça assim", "vá por esse caminho". E o que você mais precisaria, era alguém que olhasse nos seus olhos e lhe ajudasse a tomar a decisão certa.

Se você tem muito mais limites, suas lutas serão maiores também. Os vícios entram na vida do artista quando ele não sabe lidar com os limites que tem. Uma boa música com certeza foi criada quando o artista não sabia dizer a dor que sentia. Se não nascem nas dores, elas não tocam ninguém. Mas quando você não sabe o que fazer com aquela dor, a melodia vem, a música vem.

Artista que não quer sofrer, vai ser um artista infértil.

Os defeitos que você tem, estão aí para lhe construir! Não faça uma interpretação negativa dos seus limites. Não os negue. Na hora que você precisar, além de clamar pelos amigos, clame ainda mais pelo Senhor de sua arte!

Artista que não reza, jamais será "ponte" para algum lugar. É Jesus quem socorre nossos limites, e dá sentido. Precisamos da "ponte" que Ele nos dá. E aquilo que Ele nos oferece é o que aprendemos a oferecer também.




( Pe. Fábio de Melo – 02/03/09 )


Publicado por Cylene França – docecy@hotmail.comComente:

Deixe um comentário

Arquivado em Saúde e bem-estar

Falando sobre BLOG da Cy :::: COMUNIDADE PE. FÁBIO DE MELO (BELÉM-PARÁ) :::::::::::::::::::::::::::::::


"….ter um lar é um tesouro…"Pe. Fábio

Deixe um comentário

Arquivado em Saúde e bem-estar

Falando sobre BLOG da Cy :::: COMUNIDADE PE. FÁBIO DE MELO (BELÉM-PARÁ) :::::::::::::::::::::::::::::::


 
…"compreender as pessoas e amá-las…"

Deixe um comentário

Arquivado em Saúde e bem-estar

Falando sobre BLOG da Cy :::: COMUNIDADE PE. FÁBIO DE MELO (BELÉM-PARÁ) :::::::::::::::::::::::::::::::


Deixe um comentário

Arquivado em Saúde e bem-estar

Falando sobre BLOG da Cy :::: COMUNIDADE PE. FÁBIO DE MELO (BELÉM-PARÁ) :::::::::::::::::::::::::::::::


Deixe um comentário

Arquivado em Saúde e bem-estar

Falando sobre BLOG da Cy :::: COMUNIDADE PE. FÁBIO DE MELO (BELÉM-PARÁ) :::::::::::::::::::::::::::::::


Às vezes nós sofremos tanto por pessoas que não tem nenhuma consideração por nós. Às vezes nós ficamos sofrendo demoradamente por causa delas. O único jeito que nós temos de administrar o sofrimento é racionalizando. O que provoca o sofrimento dentro de nós é o jeito que nós pensamos o sofrimento. Uma idéia vai me fazer mal à medida em que eu a alimento dentro de mim. Mas se eu substituo a idéia que me faz mal pela idéia que me faz bem, então eu começo a superar o sofrimento.

( Programa Direção Espiritual de 26 de março de 2009 )

Publicado por Cylene França – docecy@hotmail.comComente:
 
 

Deixe um comentário

Arquivado em Saúde e bem-estar

QUAL É A LINGUAGEM DO AMOR?!?- Rosana Braga


"Qual é a linguagem do amor?!?

:: Rosana Braga ::


Quando estamos vivendo um sentimento importante por alguém, desde um simples flerte, passando por um caso, um namoro, um casamento ou até uma separação… creio que as perguntas que mais nos fazemos são: Como agir? O que falar? Como falar? O que demonstrar e o que esconder? Devo escancarar meu coração ou fingir que nem ligo? Essas perguntas surgem especialmente quando o que sentimos não é correspondido!

Enfim, poderia resumir questões como essas numa única pergunta: qual é a linguagem do amor?
E eu diria que a linguagem do amor é a mais simples e, ao mesmo tempo, a mais complexa que pode existir… porque é a linguagem do coração! Mas cairia, inevitavelmente, num abismo, tão profundo e surpreendente que todas as nossas perguntas encontrariam-se novamente sem respostas prontas, óbvias ou fáceis de serem obtidas!

E isso aconteceria porque o coração de uma pessoa é o que ela tem de mais precioso e, ao mesmo tempo, mais distante… Tal qual um tesouro que Deus nos deu, mas com uma condição: para que possamos usufruir dessa riqueza, muito teremos de nos dedicar e de nos empenhar para desbravar o caminho do coração…

Portanto, diante de questões como as que citei acima, eu começaria dizendo que precisamos ir por partes! Primeiro, conseguindo entender e enxergar que nesse caminho até o coração (onde estão as nossas respostas), vamos colocando muitos obstáculos, milhares dele, sem nos darmos conta…

É como se eu dissesse que nossa mente cria, até como forma de se defender daquilo que não conhece muito bem, alguns inimigos para o coração, como o orgulho, a vaidade e o egoísmo. Esses inimigos agem em nossa mente, criando situações e nos fazendo imaginar pelo outro, tirando conclusões precipitadas e renegando os nossos sentimentos mais genuínos e puros.

Deixamo-nos contaminar por esses inimigos, tomamos atitudes mascaradas e, por fim, nos sentimos absolutamente insatisfeitos e tristes. Obviamente, na maioria das vezes, não percebemos que estamos permitindo essa contaminação… Pelo contrário, consideramos nossos sentimentos contaminados como legítimos e perdemos a essência, o contato com a fonte: o coração!

Devo admitir que diferenciar uma voz da outra é uma tarefa extremamente difícil e requer trabalho para toda a nossa existência. Confundimos essas vozes freqüentemente e fazemos isso porque o coração exige todo o nosso potencial, toda a nossa inteligência, tanto a mental quanto a espiritual e a emocional.

O coração conhece nossa verdadeira força e não aceita menos do que podemos, enquanto a vaidade e a tendência a racionalizar nos satisfazem com atitudes imediatistas, tomadas de emoções equivocadas e parciais, senão injustas e distorcidas.

A vaidade não nos deixa ver o essencial; o orgulho nos revela apenas sentimentos mesquinhos, pequenos e que não nos fazem felizes em hipótese alguma. Traz-nos apenas uma sensação de satisfação momentânea, mas logo depois nos remete ao vazio e à estagnação.

No entanto, quando conseguimos ouvir a voz do coração, sabemos que nossa felicidade não está no que nos fazem ou nos dizem. Está em nossas próprias atitudes, em nossos próprios sentimentos e em nossas próprias intenções.

Certamente escrever tudo isso é infinitamente mais fácil do que praticar, mas é uma questão de consciência, de treino. Como disse anteriormente, conseguir ouvir o coração é tarefa para toda nossa existência e errar hoje não anula nossa chance de acertar amanhã (e vice-versa). Todos nós sentimos raiva, nos deixamos ofender e magoar e isso é absolutamente humano e compreensível.

Talvez, ao ler esse artigo, você fique com a impressão de que não sabe ouvir o seu coração, mas a verdade é que todos nós sabemos e, ao mesmo tempo, não sabemos. Isto é, o coração sempre fala, mas o orgulho também sempre fala. Nós é que vamos, aos poucos, ajustando o som de um e de outro, até que consigamos deixar que o coração fale mais alto.

E isso não significa ser bobo, correr pros braços de quem já não nos quer ou insistir num relacionamento que já acabou… Mas significa parar de tentar encaixar nossas atitudes em regras, como se o amor fosse um jogo, onde um deve ganhar e o outro, perder!

O amor é o mais nobre sentimento que pode existir… E é nesse sentimento, que existe dentro do nosso coração, que devemos nos basear para fazer nossas escolhas, seja para tentar ou para desistir, seja para falar ou calar, mas sempre, sempre nos baseando no que realmente sentimos e não no que queremos fazer com que o outro sinta!

(Na próxima semana, vou detalhar mais como diferenciar a voz do coração da voz da vaidade…)
Texto adaptado do livro Alma Gêmea – tudo o que você precisa saber para encontrar a sua!, de Rosana Braga-30/03/2009)"

2 Comentários

Arquivado em Saúde e bem-estar

NINGUÉM AMA IMPUNIMENTE!-Rosana Braga


Ninguém ama impunemente!
:: Rosana Braga ::

Pode até parecer, mas não estou querendo dizer que quem ama merece ser punido. Muito pelo contrário! Quem ama merece ser amado, acima de tudo. No entanto, muitas pessoas vivem relações tão difíceis, tão cheias de obstáculos, empecilhos e dificuldades, que terminam acreditando que o amor, para elas, é quase que um castigo.

Falta de sorte no amor é uma crença fortíssima que muita gente alimenta e divulga aos quatro cantos. Porém, definitivamente não acredito que o amor contenha em sua essência qualquer coisa a ver com sorte. Estou cada dia mais convencida de que o amor é reflexo de dentro para fora, é algo que cada um de nós sente à sua maneira, no seu ritmo, com o seu conteúdo interno; obviamente, levando em conta que o amor só é amor quando tem o intuito de construir e nunca, em nenhuma circunstância, de destruir o outro.

O que a gente sente não está escrito em algum lugar ou predestinado para ser exatamente como está sendo. Se fosse isso, o amor perderia seu propósito, anularia a grande oportunidade de evolução e crescimento que traz consigo.
Portanto, aí está a razão da minha afirmação: ninguém ama impunemente, justamente porque esse sentimento chega na vida da gente trazendo um desafio absolutamente precioso e divino. O de exercitar a nossa capacidade de derrubar as máscaras, de rever as regras, de mudar conceitos e comportamentos, de olhar para nós mesmos e iniciar um processo de autodescoberta, de reciclagem e revisão de tudo o que acreditamos até então.

Claro que isso é doloroso, mas por alguma razão muito particular, parece-me que algumas pessoas optam por transformar o exercício de sentir num martírio insuportável. Vivem repetindo situações, padrões e comportamentos sem se darem conta de que a escolha é pessoal, de que elas mesmas se deixaram enredar por uma espécie de rotatória autodestrutiva!
Isto é auto-sabotagem! Somos mestres em nos sabotar porque temos medo da felicidade, do amor, da plenitude. Temos medo de não saber o que fazer com o que merecemos, com o que a vida pode nos dar. Assim, inconscientemente, repetimos encontros desastrosos e com finais frustrantes, desgastantes… como que para reafirmar a nossa falta de sorte!

Pare!!! Saia da rotatória destrutiva! Encontre seu centro, sua essência, o verdadeiro amor que você deseja viver. Escreva, se sentir que isso torna seu desejo mais concreto, mais real. Descreva com detalhes, deseje com profundidade, reveja cada conceito limitante e desmotivador que você construiu ao redor do amor, do que esse sentimento significa em sua vida.

Permita-se algo maior, melhor, mais construtivo e evolutivo. Encare as suas escolhas afetivas como caminhos, como importantes processos para o seu crescimento pessoal. É nesse sentido que reafirmo que ninguém ama impunemente. Ou seja, amar deve nos remeter a um degrau acima, sempre… Mas entrar e sair das relações sem respeitar o outro, sem respeitar, sobretudo, a si mesmo, aos seus princípios de dignidade e ética humana é supor que o amor se assemelha a um tropeço, a um acaso, à mera sorte ou falta dela…

Sugiro que você ame aprendendo, ame refletindo, ame propositadamente, com toda a verdade que pode estar contida em seu coração. Porque se não for isso, se não for assim, está na hora de sair da rotatória…

fotoRosana Braga é Escritora, Jornalista e Consultora em Relacionamentos Palestrante
e Autora dos livros "Alma Gêmea – Segredos de um Encontro"
e "Amor – sem regras para viver", entre outros.
http://www.rosanabraga.com.br e Comunidade no Orkut

Email: rosanabraga@rosanabraga.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em Saúde e bem-estar

Frases do Padre Fabo de Melo


  • VOCÊ PODE DIZER QUE NÃO ENTENDEU O QUE TE DISSE, MAS JAMAIS PODERÁ DIZER QUE NÃO ENTENDEU COMO EU TE OLHEI .
  • Eu sou um contador de histórias…Gosto de me aventurar no univero das palavras gosto de vê-las clamando por minhas mãos, desejosas de sairem da condição de silêncio. Escrever é uma forma de desvendar o mundo.
  • Amar talvez seja isso…Descobrir o que o outro fala mesmo quando ele não diz.
  • Se pela força da distância tu te ausentas… pelo poder que há na saudade voltarás.
  • O que nos faz amigos é essa capacidade de sermos muitos mesmo quando somos dois.

Deixe um comentário

Arquivado em Saúde e bem-estar